Integração entre sistemas: 6 dicas para fazer do jeito certo!

Integração entre sistemas: 6 dicas para fazer do jeito certo!

No mercado atual, muitas empresas investem em estratégias que se apoiam na infraestrutura de TI e em softwares corporativos para garantir mais performance para os seus profissionais. Uma delas é a integração de sistemas, que conta com o apoio de APIs para garantir a troca de dados entre diferentes aplicações. Assim, o negócio reduz custos, prazos e erros.

Quer saber mais sobre como a integração de sistemas funciona e o seu papel no dia a dia de um negócio? Então, veja o post de hoje!

Como a integração de sistemas funciona?

A integração de sistemas é um processo em que a empresa cria mecanismos para a troca de informações entre aplicações, potencializando o uso de vários tipos de aplicações distintos.

As APIs possuem um papel de destaque no processo de integração de sistemas. Elas funcionam como canais de circulação de informações, permitindo que dados sejam coletados, enviados ou modificados entre ferramentas de TI de uma forma padronizada e segura. Assim, rotinas que utilizam mais de um sistema, como por exemplo a emissão de notas fiscais ou entrega de produtos, podem ocorrer livre de erros.

Qual a importância da integração de sistemas?

No cenário atual, quem não possui uma infraestrutura de TI corretamente integrada perde em competitividade. Os serviços terão menor performance e maior chance de erros. Consequentemente, o negócio poderá enfrentar dificuldades para entregar as demandas de clientes e, com isso, perder receitas.

A integração de sistemas garante à empresa um maior retorno sobre os seus investimentos em TI. A troca de informações entre aplicações será feita com mais qualidade e segurança. Assim, os profissionais sempre terão dados atualizados para executar as suas rotinas, garantindo a sua capacidade de atingir metas e objetivos corporativos.

Como integrar sistemas em seis passos?

Para integrar sistemas corretamente, a empresa deve ter uma estratégia bem estruturada. Seguindo os passos corretos, os gestores conseguirão eliminar riscos e garantir que o retorno obtido com o investimento seja o mais alto possível. Veja como fazer isso em seis passos!

1. Alinhe tecnologia e estratégia

O alinhamento de estratégias entre o setor de TI e as outras áreas da empresa é o primeiro passo para unir sistemas da forma correta. É importante que todas as áreas trabalhem juntas durante toda a integração de sistemas, reduzindo conflitos e garantindo que essa rotina seja feita da melhor forma possível.

Quando todos atuarem de maneira integrada, trocando dados sobre objetivos e metas operacionais, será mais fácil para o setor de TI definir quais aplicações devem ser integradas. O time de TI saberá quais são as aplicações críticas e, assim, poderá executar um trabalho de maior qualidade.

2. Mapeie os processos internos

O mapeamento de processos é outro ponto importante para que o direcionamento da integração de sistemas seja o melhor possível. Com todas as rotinas internas mapeadas e as aplicações utilizadas em cada uma listadas, a companhia pode avaliar a melhor forma de integrar as suas aplicações: o gestor terá uma visão ampla sobre como os processos foram estruturados, quais aplicações precisam compartilhar informações e como isso pode ser feito da melhor forma possível.

3. Conheça os dados sobre a performance e o perfil da infraestrutura de TI da empresa

A performance da infraestrutura de TI da empresa é um dos pontos que mais podem ser afetados pela integração de sistemas. Se o desempenho da infraestrutura é baixo, a empresa precisará lidar com um grande número de gargalos, que impactam negativamente na performance das suas operações e reduzem a competitividade de todos os setores. Portanto, levante dados sobre quais são as soluções com pior funcionamento e, assim, direcione a estratégia de integração corretamente.

Outro ponto importante relacionado à infraestrutura de TI é o conhecimento do seu perfil. O gestor precisa avaliar corretamente como os dispositivos estão organizados para executar uma integração correta, uma vez que esse processo afetará várias aplicações diretamente e indiretamente. Portanto, crie uma documentação abrangente com um conjunto de dados sobre os sistemas, as integrações já existentes, as normas de segurança e as demais informações que possam ser úteis.

4. Avalie as soluções disponíveis

Antes de iniciar o processo de integração, avalie as opções disponíveis no mercado para executar esse processo. É importante que a ferramenta escolhida esteja alinhada com o perfil da empresa e possua recursos compatíveis com a infraestrutura do empreendimento.

Além disso, a empresa precisa escolher uma solução com um bom suporte de usuário e controles de segurança eficientes. Assim, os riscos de problemas afetarem a performance da companhia ou de vazamentos ocorrerem cairão drasticamente.

5. Treine usuários

O treinamento de usuários é um ponto chave para que qualquer projeto de TI funcione. Sempre que novos sistemas forem integrados, gestores devem criar uma rotina de cursos e treinamentos para garantir que todos os usuários consigam integrar os novos recursos ao seu dia a dia.

Isso é um passo crucial para a empresa diminuir o tempo necessário para as novas rotinas fazerem parte do seu dia a dia. Lembre-se que uma migração de sistemas torna-se realmente eficaz a partir do momento em que todos passam a usar o novo ambiente de trabalho no seu dia a dia. Portanto, garanta que nenhum time deixe de conhecer os novos recursos que estão disponíveis.

6. Monitore mudanças

O monitoramento de resultados é a etapa final de qualquer processo de integração de sistemas. Após as aplicações serem corretamente integradas, o gestor deve avaliar como o processo afetou as rotinas internas a partir da consideração de fatores como ganhos de performance, número de erros e redução de custos operacionais.

Isso permitirá ao negócio avaliar se o processo de integração atingiu os objetivos esperados a médio e longo prazo. Caso algum problema seja encontrado, a empresa terá um direcionamento mais preciso para realizar as modificações necessárias em busca de um retorno sobre o investimento mais amplo.

A integração de sistemas não é o único processo que uma empresa pode utilizar para atingir melhor performance a médio e longo prazo. Essa estratégia deve ser vista ao lado de outras opções, como o investimento em cloud computing e no outsourcing de TI como formas de melhorar o fluxo de trabalho dos times e criar equipes mais integradas. Assim, a empresa pode colocar a tecnologia no centro das suas rotinas e ter muito mais competitividade a médio e longo prazo.

Gostou desse post e quer receber mais novidades sobre tecnologia? Então, siga a nossa página no Facebook!

Utilize uma API para emissão de documentos fiscais eletrônicos

Nota Fiscal eletrônica é assunto sério e pode dar muito trabalho para seu time de desenvolvimento. Mas você não precisa se preocupar e nem ter um custo alto para terceirizar a emissão destes documentos. A Focus NFe é uma plataforma especializada em documentos fiscais. Atua no mercado desde o surgimento desta tecnologia. Empresas de todos os portes já emitiram mais de 11 milhões de documentos fiscais.

Veja abaixo a lista de todas as APIs disponíveis na Focus NFe

  • NFe: Emita Nota Fiscal Eletrônica
  • NFSe: Nota de serviço com um formato único e simplificado
  • NFCe: Nota ao consumidor
  • CFe SAT: Em SP? Sem problemas, temos integração com SAT também.
  • CTe: Conhecimento de transporte eletrônico (inclusive CTe OS)
  • MDe: Receba por webhooks todas as notas emitidas para o seu CNPJ

Além de APIs acessórias úteis para o seu software.

  • CEP: Busca de CEPs sempre atualizada com a base de dados dos Correios
  • CFOP: Consulte todos os códigos fiscais de operação
  • NCM: Mantenha o cadastro de produtos de seu cliente sempre correto com o código NCM padronizado