Grow Slow and Make a Great Product!

Grow fast or die slow!

Cresça rápido ou morra lentamente. Este é o mote de muitas startups, especialmente as de tecnologia. Mas qual seria a lógica por trás disso? Abocanhar a maior fatia do mercado o mais rápido possível, antes que surjam novos concorrentes que façam isso e se tornem dominantes.

Aqui no Focus NFe não concordamos com isso, pois acreditamos que as consequências desta postura podem ser catastróficas para o produto e, consequentemente, para os negócios. Em alguns casos pode-se argumentar que a prática é necessária, pois mercados gerados por produtos muito disruptivos tendem a permanecer com quem domina o mercado antes, a exemplo do Uber, mas estes casos são raros e, portanto, longe de determinar uma regra geral.

A Cultura de Grow Fast or Die Slow parece ser um dos subprodutos de um ambiente onde cada vez mais empreendedores estão construindo empresas para vender. Olhando exclusivamente para as rodadas de investimento e com o objetivo final do tão sonhado exit. A construção de um produto de qualidade, que atende a um grupo de clientes com uma dor real, parece ter ficado de lado. A dor do cliente é tratada apenas como uma validação de market fit, e não como algo a ser efetivamente compreendido, “degustado” e resolvido plenamente. Como aprendi com o grande Amilton Paglia, “Apaixone-se pelo problema, não pela solução”, mas isso é outro assunto.

Não temos nada contra empresas que participam de rodadas de investimento, tampouco desmerecemos o valor das fusões e aquisições. A validação de market fit também é crucial para quem está iniciando um negócio. Nada disso é errado em nossa opinião, pelo contrário, são práticas muito saudáveis e que deveriam ser tratadas como parte do crescimento natural dos negócios, mas nunca como um fim.

O que eu quero dizer é que o produto tem que vir primeiro. A arquitetura, a concepção e a construção de um bom produto devem ser o foco principal. E essa ideia de crescer rápido pra depois ver o que fazer com a estrutura do produto vai contra o nosso princípio, de construir algo de qualidade, escalável e que vai sustentar o crescimento de vários anos sem precisar ser refeito. O nome disso é escalabilidade, e este é um investimento que se paga muitas e muitas vezes.

Em resumo, nós preferimos investir na escalabilidade antes de investir em vendas. E isso se traduz em um crescimento inicial mais lento, porém mais estruturado e sustentável.

Nossos números mostram isso. Hoje contamos com mais de 4.000 clientes ativos e satisfeitos com nosso produto e atendimento, já autorizamos mais de 35.000.000 de documentos fiscais, temos um atendimento efetivo de menos de uma hora em nosso suporte e constantemente adicionamos melhorias em nossas APIs. E fazemos tudo isso com apenas 15 pessoas em nossa equipe, todos trabalhando suas 8 horas por dia. Sem loucuras, sem acelerar demais.

Só recentemente estruturamos o nosso time de marketing e growth. Antes disso estruturamos nossa base tecnológica e de atendimento, durante anos! O caminho contrário, de acelerar as vendas antes, pode parecer interessante no início e, de fato, até traz resultados interessantes em princípio, mas no longo prazo pode criar um produto de baixa qualidade com atendimento péssimo e lucratividade pífia. A conta chega.

Por isso nosso lema, ao invés de Grow Fast or Die Slow é Grow Slow and make a great product!