Real digital: o que é e como vai funcionar

João Vallim

Conteúdo

O real digital é uma proposta do Banco Central com o objetivo de facilitar ainda mais as transações financeiras. Por meio da digitalização da nossa moeda, haverá maior controle nas operações digitais.

Essa mudança vai influenciar diretamente empresas e desenvolvedores de softwares. Afinal, com a constante evolução dos meios de pagamentos, é preciso que ambos permaneçam atualizados e conectados com as novas tecnologias.

Acompanhe o artigo e entenda mais sobre real digital e qual será seu impacto para empresas, bancos e desenvolvedores.

O que é real digital

O Central Bank Digital Currency (CBDC) tem instigado a implementação de moedas digitais em bancos centrais de diversos lugares do mundo. O foco tem sido mostrar as vantagens de aplicar essa mudança para o estado. 

E com o Brasil não é diferente. O real digital se trata da digitalização da moeda do nosso país, onde há uma busca por maior controle das transações digitais nos meios de pagamentos eletrônicos brasileiros. 

Em resumo, o real digital ou real online, pode tornar-se a moeda eletrônica oficial do país. 

Desenvolvimento e lançamento

O Brasil já está se preparando para essas mudanças desde 2020, quando a portaria nº 108.092/20 formalizou o início dos estudos para criação do real online.

Assim, todas as áreas do banco central estão envolvidas no desenvolvimento desse projeto. Incluindo desde o departamento de cidadania financeira, estudos e pesquisas até o setor de Tecnologia da Informação.

Alguns avanços já foram apresentados em 2021, onde as diretrizes principais para implementação foram delimitadas.

No entanto, o lançamento em fase de testes está previsto apenas para 2024, segundo expectativas do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Como vai funcionar o real digital

Primeiramente, é preciso deixar claro que o real digital não é uma criptomoeda. Apesar de ambas serem de moedas digitais, a diferença é que o real digital será regulamentado pelo Banco Central. 

Assim, a normatização e as ofertas estão sob intervenção do estado. Ao contrário do que acontece com criptomoedas, como o Bitcoin por exemplo.

Vejamos algumas características sobre seu funcionamento:

  • Emissão e controle: A fim de garantir maior estabilidade e confiabilidade, o real digital será emitido pelo Banco Central. 
  • Lastro: será lastreado pelo próprio real (moeda nacional) e sua taxa de câmbio será fixada em relação a ele.
  • Anonimato: o objetivo é garantir a privacidade dos usuários, e para isso seguirá as regras determinadas pelo Banco Central. No entanto, não será completamente anônimo, como criptomoedas comuns em que não é preciso se identificar.
  • Legalidade: essa moeda digital é oficialmente reconhecida e regulamentada pelo governo.

Em linhas gerais, o objetivo principal é promover inovação e facilidade ao sistema financeiro nacional.

Impactos do real digital

Para milhares de brasileiros, o real digital significa maior inclusão no sistema financeiro. Isso porque muitos não utilizam moedas digitais. 

Já para os desenvolvedores e bancos, essa nova tecnologia proporciona novas modalidades de pagamentos, gerando novas regras e tipos de movimentações. Por isso é essencial entender todas as regras e estar alinhado ao Banco Central. 

Vantagens e desvantagens

Como toda inovação, algumas vantagens e desvantagens podem se apresentar. 

No caso da moeda digital brasileira, algumas ações serão facilitadas, como a incorporação de diferentes tipos de ativos como títulos de dívida, ações e commodities, além da utilização de tecnologias avançadas, como contratos inteligentes e dinheiro programável.

Outras vantagens são a eficiência, agilidade e segurança nas transações financeiras, assim como a redução de custos operacionais e burocráticos. Com a digitalização da moeda, a inclusão financeira pode aumentar, levando pessoas sem acesso aos sistemas financeiros tradicionais a realizarem transações.

Mas cabe ressaltar que  a criação da moeda digital brasileira também depende da avaliação dos resultados de alguns testes e da definição de um modelo de negócio viável e sustentável. Por isso, o Banco Central pretende realizar uma ampla consulta pública.

Real digital: conclusão

Ainda são necessários estudos mais profundos e colocar em prática testes para avaliar sua eficácia e segurança.

Esse projeto é um piloto e portanto, é apenas o primeiro passo para a implementação, de maneira que alguns desafios ainda precisam ser superados antes de tudo isso se tornar oficial.

Leia informações mais detalhadas no Voto 31/2023, de 14 de fevereiro de 2023.

Simplifique sua gestão de documentos fiscais com a Focus NFe

Somos um ecossistema de soluções para a emissão e gestão de documentos fiscais, permitindo que empresas dos mais diversos portes e segmentos ganhem mais tempo para focar no que importa.

Sua empresa possui desenvolvedores, sistema interno e quer otimizar a emissão de notas? Conheça nosso conjunto de APIs para emissão de documentos fiscais!
Converse já com a nossa equipe: https://focusnfe.com.br/contato?utm_campaign=textoctablog

João Vallim

João Vallim

Analista de marketing, nerd, videomaker e fotógrafo nas horas vagas.

Inscreva-se em nossa newsletter​

Receba nossos conteúdos exclusivos em primeira mão.

Explore outros conteúdos:

calculadora sob uma mesa com papéis com anotações.
Nota Fiscal
Welker Zigante

O que é DIFAL do ICMS? Entenda como funciona e quem paga!

O termo Diferencial de Alíquota (DIFAL) se refere ao recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e busca promover equidade tributária entre os estados brasileiros.

Empreendedores como proprietários de e-commerces que realizam compras fora do estado e vendem para consumidores finais, precisam considerar as variações nas alíquotas do ICMS entre os estados.

Logo, dada a complexidade dessa legislação, compreender o que é e como funciona o DIFAL pode ser desafiador, especialmente devido às diferentes alíquotas e leis em cada um dos 26 estados e no Distrito Federal relacionadas ao ICMS e aos produtos e serviços tributados.

Acompanhe o nosso post de hoje e compreenda melhor esse processo.

Leia mais »
/nota-tecnica-2016-003
Nota Fiscal
Junior Muniz

Nota Técnica 2016.003: confira a nova tabela de NCM!

A Nota Técnica 2016.003, publicada em dezembro de 2016, é um documento fundamental para a emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). Ela define a tabela de Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) e as Unidades de Medidas Tributáveis (Utrib) a serem utilizadas na NF-e.

Desde que foi lançada, a Nota Técnica 2016.003 passou por diversas alterações, a fim de atualizar a tabela de NCM e Utrib conforme as mudanças da legislação e as necessidades do mercado.

A seguir, abordamos em detalhes todas essas mudanças nas diferentes versões da Nota Técnica e quais códigos foram incluídos e excluídos do documento.

Leia mais »