O que é PGDAS? Entenda esse sistema 

João Vallim

Conteúdo

Na hora de calcular impostos no Brasil, é preciso estar atento aos detalhes. Para as empresas optantes pelo Simples Nacional, um desses detalhes é saber o que é PGDAS.

Essa é a sigla para Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional. 

No artigo de hoje, vamos explicar o que é e como funciona esse programa, deixando algumas orientações para contribuir com a sua gestão fiscal.

Boa leitura!

O que é PGDAS?

O PGDAS, também chamado de PGDAS-D (sendo esse “D” de “declaratório”), nada mais é que um programa online que calcula impostos.

Especificamente, o PGDAS tem como função computar os tributos mensais das empresas optantes pelo Simples Nacional

É possível compará-lo com um sistema mais conhecido: o PGD, o programa de geração de declaração usado no imposto de renda.

Assim que os valores são calculados, o sistema já os envia para a Receita Federal e gera o documento de arrecadação do Simples Nacional, o DAS.

Impostos inclusos no PGDAS

A proposta do Simples Nacional é unificar e facilitar a arrecadação de impostos. Por isso, o sistema já inclui diversos tributos em um mesmo documento de arrecadação.

Quando se faz o cálculo no PGDAS, alguns dos impostos que estão incluídos são o ICMS, o ISS e o CSLL.

Formas de apresentação das informações financeiras

Para que seja possível usar o PGDAS, o primeiro passo é que já esteja definida qual é a forma que a empresa irá apresentar suas informações financeiras para os cálculos.

São dois os tipos principais que podem ser usados para relatar essas informações:

  • Regime de Caixa: considera as operações ocorridas no mês de apuração. 
  • Regime de Competência: considera o dia em que a operação ocorreu.

Para explicar a diferença entre essas duas formas de apresentação das informações financeiras, imagine o seguinte exemplo: uma venda é feita no mês de janeiro, mas só será quitada no mês de fevereiro.

Se a empresa usar o regime de caixa, essa venda só entrará como parte do cálculo de tributos em fevereiro, por ser quando o valor é computado.

Caso use o regime de competência, uma venda feita em janeiro será considerada no cálculo tributário desse mesmo mês. Ou seja, considera a data em que ocorreu a ação, mas não necessariamente a transação financeira.

Usando o sistema PGDAS

Para fazer uso das funções disponibilizadas pelo PGDAS, siga os seguintes passos:

  1. Acesse a página do Simples Nacional;
  2. À direita da tela, clique em “PGDAS-D e DEFIS”;
  3. Faça o login, usando uma das opções: “código de acesso” e “certificado digital”;
  4. Na sequência, clique em “Regime de Apuração” e, logo após, em “Optar”;
  5. Selecione “Regime de Apuração de Receitas”, informando o ano-base da emissão;
  6. Informe qual dos dois regimes de apuração será usado (de caixa ou de competência);
  7. Para finalizar, é só clicar em “Salvar demonstrativo”.

Conclusão

Saber quais sistemas estão envolvidos na hora de cuidar dos tributos é essencial para garantir o gerenciamento fiscal eficiente.

Confira mais conteúdos sobre gestão financeira no blog do Focus NFe.

João Vallim

João Vallim

Analista de marketing, nerd, videomaker e fotógrafo nas horas vagas.

Inscreva-se em nossa newsletter​

Receba nossos conteúdos exclusivos em primeira mão.

Explore outros conteúdos:

calculadora sob uma mesa com papéis com anotações.
Nota Fiscal
Welker Zigante

O que é DIFAL do ICMS? Entenda como funciona e quem paga!

O termo Diferencial de Alíquota (DIFAL) se refere ao recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e busca promover equidade tributária entre os estados brasileiros.

Empreendedores como proprietários de e-commerces que realizam compras fora do estado e vendem para consumidores finais, precisam considerar as variações nas alíquotas do ICMS entre os estados.

Logo, dada a complexidade dessa legislação, compreender o que é e como funciona o DIFAL pode ser desafiador, especialmente devido às diferentes alíquotas e leis em cada um dos 26 estados e no Distrito Federal relacionadas ao ICMS e aos produtos e serviços tributados.

Acompanhe o nosso post de hoje e compreenda melhor esse processo.

Leia mais »
/nota-tecnica-2016-003
Nota Fiscal
Junior Muniz

Nota Técnica 2016.003: confira a nova tabela de NCM!

A Nota Técnica 2016.003, publicada em dezembro de 2016, é um documento fundamental para a emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). Ela define a tabela de Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) e as Unidades de Medidas Tributáveis (Utrib) a serem utilizadas na NF-e.

Desde que foi lançada, a Nota Técnica 2016.003 passou por diversas alterações, a fim de atualizar a tabela de NCM e Utrib conforme as mudanças da legislação e as necessidades do mercado.

A seguir, abordamos em detalhes todas essas mudanças nas diferentes versões da Nota Técnica e quais códigos foram incluídos e excluídos do documento.

Leia mais »