Como declarar criptomoedas? Conheça os detalhes sobre esse tipo de declaração

João Vallim

Conteúdo

A declaração do Imposto de Renda é um processo minucioso, ainda mais para quem tem a prática de diversificar seus investimentos. No artigo de hoje, vamos explicar sobre como declarar criptomoedas.

Com os avanços tecnológicos na área de finanças, é preciso estar atento às novidades. A popularização do acesso às criptomoedas gerou a necessidade do sistema fiscal brasileiro de se adaptar para abraçar esse modelo na declaração de IR.

Acompanhe a leitura e entenda mais sobre a declaração de criptomoedas, quais os casos específicos e outros detalhes.

O que são as criptomoedas?

Criptomoedas são as chamadas moedas digitais. Diferente do dinheiro tradicional, a sua emissão não é feita e nem controlada por órgãos governamentais.

Portanto, são descentralizadas e não dependem do governo para fazer a intermediação ou autorização de qualquer transação em relação a elas.

Podem ser usadas como uma forma alternativa de investimento e também como meio de pagamento, já disponível em diversas plataformas de compra e venda.

Você pode conferir a definição oficial de criptoativos na Instrução Normativa Nº 1.888 (Maio/2019).

Principais criptomoedas

Hoje já existe uma infinidade de variações para as criptomoedas. Listamos as principais abaixo:

  • Bitcoin;
  • Ethereum;
  • Tether;
  • Litecoin;
  • USD Coin;
  • Binance;
  • Cardano;
  • XRP;
  • Solana;
  • Dogecoin.

Então, caso você tenha investido em algum desses tipos de criptoativos ou outros que não foram listados, é importante entender se será preciso ou não declará-los em seu IR.

É preciso declarar as criptomoedas no Imposto de Renda?

Em relação a obrigatoriedade da declaração, o que você precisa saber é que depende da situação. Para se tornar necessária a declaração, é preciso que:

  • Tenha havido ganho de capital
  • O lucro gerado em um mês pela venda de criptoativos seja igual ou superior a R$35 mil.

Em relação a alíquota a ser considerada, a tabela abaixo descreve os percentuais conforme os valores.

RendimentosAlíquota
Abaixo de R$ 35mil Não há necessidade de declaração
Entre R$ 35mil e R$ 5 milhões15%
Entre R$ 5 milhões e R$ 10 milhões17,5%
Entre R$ 10 milhões e R$ 30 milhões20%
Acima de R$ 30 milhões22,5%

Como declarar criptomoedas no Imposto de Renda?

Caso os seus investimentos em criptoativos estejam dentro da obrigatoriedade de declaração que falamos no tópico anterior, então fique atento em como declarar.

Dentro do sistema usado para a declaração, foi criado o grupo 08, que se refere aos criptoativos. Existem 5 grupos de criptomoedas, cada um com seu código específico: 

  • 01: Bitcoin (BTC);
  • 02: Categoria Altcoins, que incluem: Ether (ETH), Ripple (XRP), Bitcoin Cash (BCH) e Litecoin (LTC);
  • 03: Categoria Stablecoin: Tether (USDT), Brazilian Digital Token (BRZ), Binance dólar (BUSD), DAI, TrueUSD (TUSD), Gemini dólar (GUSD), Paxos Gold (PAXG), entre outros;
  • 10: NFTs (Non-Fungible Tokens);
  • 99: outros criptoativos, como fan tokens e tokens de crédito de carbono.

Leia também: O que são NFTs?

Importante: os Bitcoins adquiridos no exterior também precisam ser declarados. O procedimento para a declaração é o mesmo que descrevemos acima.

Como pagar os tributos de Bitcoin?

Assim como nos demais casos, para acertar os tributos de Bitcoin é preciso gerar o DARF (Documento de Arrecadação de Tributos Federais). 

Para isso, primeiramente é preciso preencher o GCAP (Programa de Ganho de Capital). Assim, o documento será gerado com base em seus dados pessoais, referente ao ano da declaração.

O código de receita para bitcoins é o número 4600, que representa  imposto sobre ganho de capital na venda de bens. Lembrando que a obrigatoriedade de declaração é somente no caso de lucro acima de R$35 mil.

Confira mais conteúdos sobre finanças e documentos fiscais no blog da Focus NFe.

João Vallim

João Vallim

Analista de marketing, nerd, videomaker e fotógrafo nas horas vagas.

Inscreva-se em nossa newsletter​

Receba nossos conteúdos exclusivos em primeira mão.

Explore outros conteúdos:

Nota Técnica 2023.004
Nota Fiscal
Hélio Marques

Nota Técnica 2023.004: novo evento para NF-e e NFC-e (ECONF)

documentos fiscais e recursos financeiros recebidos.

Assim, todos os que estão envolvidos no processo da emissão da Nota Fiscal eletrônica (NFe) e a Nota Fiscal de Consumidor eletrônica (NFCe), têm a possibilidade de anotar no documento fiscal as transações financeiras relacionadas através do Evento de Conciliação Financeira (ECONF).

No entanto, em 02 de fevereiro de 2024, foi lançada a versão 1.10 da NT 2023.004 com algumas alterações importantes. Acompanhe o artigo de hoje e entenda mais sobre essas mudanças.

Leia mais »
Nota Técnica 2019.001: Atualizações das Regras de Validação
Nota Fiscal
Douglas Pinheiro

Nota Técnica 2019.001: Atualizações das Regras de Validação

A Nota Técnica 2019.001 trata-se de um documento com alto impacto para desenvolvedores e demanda regras de validação mais rígidas. Por isso, passa por atualizações constantes, a fim de melhorar os serviços oferecidos aos consumidores.

Algumas de suas regras têm a ver com tópicos importantes, como benefícios fiscais, melhora do controle de documentos referenciados e a identificação do destinatário, descrição de informações do ICMS com mais precisão, entre outros tópicos.

A seguir, trazemos as mudanças da Nota Técnica 2019.001 nas diferentes versões do documento, lançadas nos últimos anos.

Leia mais »
Nota Fiscal Falsa: Como evitar golpes
Nota Fiscal
Gabriel Hissatomi Davanzo

Nota Fria: o que é, como identificar e como evitar golpes?

A Nota Fria é todo documento que contém qualquer tipo de informação adulterada. Esse é um problema que nem sempre fica claro e até mesmo as partes não envolvidas na ação criminosa podem ser afetadas judicialmente.

Portanto, é essencial saber como identificar as notas falsas e como lidar com esses percalços para evitar fraudes e se prevenir contra este tipo de documento. Acompanhe o artigo de hoje e saiba como reconhecer a Nota Fria.

Leia mais »