O que é cloud computing?

João Vallim

Conteúdo

Cloud computing ou computação em nuvem, é um serviço que se utiliza de tecnologia da informação (TI) para disponibilizar através da internet recursos de computação.

Pela grande conectividade que oferece, a nuvem permite o acesso a dados, redes e ambientes compartilhados. Tudo isso pode ser acessado por meio de diversas plataformas ou usando diferentes dispositivos, em qualquer lugar com conexão disponível.

Provavelmente o recurso que você já ouviu falar é o do armazenamento na nuvem. Essa é a utilidade mais comum atualmente entre usuários de internet.

Entretanto, para empreendedores de SaaS, esse serviço também apresenta potencial para vendas.

No artigo de hoje vamos entender mais sobre o cloud computing, como são suas aplicações e quais suas vantagens. Acompanhe!

O que é cloud computing

A cloud computing é uma tecnologia que possibilita o acesso a vários recursos, programas e informações sem a necessidade de conectar-se a um computador pessoal ou servidor local.

Isso acontece porque a nuvem se utiliza da conectividade e a grande escala da internet para tornar disponível a hospedagem de dados, recursos e programas.

Por isso é tão fácil acessar seus recursos de qualquer aparelho ou lugar, desde que tenha acesso a internet de qualidade.

No que se trata da forma como seu preço é definido, deve-se atentar ao fato de que a cloud estipula o formato paga pelo que usa. Assim, algumas vantagens aparecem, como por exemplo a redução de custos com servidores locais e a fácil adaptação aos recursos de TI.

Como funciona a cloud

Formada por vários servidores responsáveis por grande dispositivo de armazenamento e processamento de dados, a cloud  possui grande flexibilidade quanto às soluções que possui.

Tal flexibilidade permite reservar os recursos dos servidores interligados para seu uso, de maneira que se ajusta à demanda e capacidade de processamento, espaço, memória e banda sem a necessidade de reinstalação. 

Para que serve o cloud computing

Para empresas, o cloud computing permite o uso de recursos  compartilhados tanto em questão de computação como de armazenamento. Com isso, os usuários acessam de forma segura uma rede integrada onde podem inserir e liberar recursos conforme a demanda.

Algumas vantagens da nuvem são:

Economia: já que a cloud apresenta-se com os recursos prontos e apenas paga-se pelo que foi utilizado, não é necessário construir o próprio servidor, o que reduz custos.

Escala: por sua flexibilidade, é possível aumentar e diminuir a capacidade de máquinas de forma simples e prática. Fato que a torna muito atrativa às necessidades de elasticidade de organizações.

Agilidade: a cloud favorece a inovação, uma vez que é possível dispor recursos de TI de forma rápida e adaptada às necessidades implantando vários servidores rapidamente e com baixo custo.

Confiabilidade: oferece mais serviços gerenciados e de confiança comparado a uma infraestrutura de TI interna. Além disso, tem garantia de serviço ininterrupto: em caso de falhas, os aplicativos e serviços hospedados podem ser transferidos para qualquer um dos servidores disponíveis de forma facilitada.

Armazenamento com grande capacidade: por ter grande capacidade de armazenamento, dificilmente você ficará sem espaço. Entretanto, também é possível aumentar o armazenamento caso necessário.

Backup e recuperação: ao contrário de backups físicos, o armazenamento na nuvem é mais fácil e também possuem formas de recuperação de dados.

Acesso facilitado: uma vez que você passa a utilizar a nuvem, tem como acessá-la de qualquer lugar e por qualquer dispositivo compatível, basta ter uma conexão com a internet.

Tipos de armazenamento na nuvem

Nuvem pública

Utiliza provedores terceirizados que oferecem os recursos para qualquer pessoa ou empresa através da internet. 

Aqui o usuário é o responsável pelo que será enviado à nuvem, podendo ser backups, arquivos, aplicativos,entre outros. Enquanto que a nuvem se encarrega do gerenciamento, manutenção e segurança.   

Com as nuvens públicas, os dados dos clientes e a segurança dos mesmos, permanecem na infraestrutura de propriedade dos provedores de serviços.  

Alguns exemplos de empresas desse tipo são: Amazon AWS, Microsoft Azure e Google Cloud Platform.

Nuvem privada

Com acesso restrito a usuários selecionados, esse tipo de nuvem possui recursos similares aos da nuvem pública, a diferença é que os dados e serviços são geridos pela própria organização. 

Na nuvem privada, é possível a personalização de recursos e acesso a suporte já que a nuvem pode ser projetada exclusivamente para um negócio específico.

Portanto, é indicada para organizações que seguem as regras de segurança e privacidade de dados e informações. Exemplos de nuvens dessa linha são as instituições de cunho financeiro ou que são ligadas a entidades governamentais.   

Nuvem híbrida

A nuvem híbrida nada mais é do que uma combinação das nuvens pública e privada. Assim, é possível que haja o compartilhamento entre os dois tipos de nuvem, mas apesar dessa “união” não é necessário ter fornecedores diferentes. 

Ao escolher uma nuvem desse tipo, atente-se a alguns fatores como sensibilidade de dados, aplicativos, certificações, dentre outros.

Serviços que a cloud computing tem

Dentre os modelos de serviços disponibilizados pela cloud computing temos:

IaaS – Infrastructure as a Service

O IaaS ou Infraestrutura como Serviço, possibilita que usuários provisionem o processamento, armazenamento e conectividade de rede conforme a demanda. Nesse modelo, os clientes têm autonomia para construir seus próprios aplicativos nesses recursos.

Com exemplos podemos citar a Amazon Web Services; Microsoft; Alibaba e Google.

PaaS – Platform as a Service

A Paas ou Plataforma de Serviços, funciona de modo que o provedor de serviços dispõe aos usuários atividades como bancos de dados, filas, mecanismos de fluxo de trabalho, e-mails, entre outros. 

Isso torna possível que os clientes usem esses componentes para criar um aplicativo próprio, de forma que a gestão dos recursos e banco de dados ficam a encargo do provedor. 

As nuvens que realizam esse tipo de serviço são o Google App Engine; Heroku; RedHat OpenShift; Microsoft Azure Cloud Services; Tsuru e etc.

SaaS – Software as a Service

Por fim, temos o Saas ou Software como Serviço que é onde os fornecedores terceirizados disponibilizam aplicativos de usuários finais, para aqueles que já possuem recursos administrativos no mesmo nível do aplicativo. Considera-se aqui, a capacidade de criação de usuários e gestão.

Nesse modelo, é possível personalizar e utilizar informações próprias como logos empresariais, layout, cores e outras características.

O Skype, o Whatsapp, o Linkedin e o Facebook, são exemplos desse modelo de serviços.

Confira mais conteúdos sobre o mundo SaaS em nosso blog.

Picture of João Vallim

João Vallim

Analista de marketing, nerd, videomaker e fotógrafo nas horas vagas.

Inscreva-se em nossa newsletter​

Receba nossos conteúdos exclusivos em primeira mão.

Explore outros conteúdos:

Nota Fiscal
Luciano Romaniecki

Rejeição 611: como resolver GTIN (cEAN) inválido? Saiba aqui!

O cEAN inválido é um dos vários erros que podem ocorrer no momento da emissão de uma nota fiscal. Basicamente, o cEAN tem a ver com o código de barras do produto informado na NF-e.

Estes erros podem ser causados desde o preenchimento incorreto de informações, ou até mesmo confusão com dados importantes.

Por isso, o artigo de hoje é para você que precisa emitir documentos fiscais com frequência e não sabe o que fazer quando se depara com esse equívoco.
Mas antes, vamos entender mais sobre o que é e o que pode causar essa rejeição na hora de emitir uma < a href="https://focusnfe.com.br/blog/nfe/" target="_blank">NF-e. Vamos lá?

Leia mais »
Polyfill.js e Malware em Código Aberto: O que Você Precisa Saber
Tecnologia
Yuri Corredor

Polyfill.js e Malware em Código Aberto: O que Você Precisa Saber

No mundo do desenvolvimento, bibliotecas de código aberto desempenham um papel crucial na criação de aplicativos. No entanto, essas bibliotecas também podem representar riscos significativos se não forem gerenciadas corretamente. Um exemplo recente é o caso da biblioteca polyfill.js, que sofreu um ataque de cadeia de suprimentos, afetando milhares de sites ao redor do mundo.

Leia mais »
Modelo de receita para SaaS: saiba principais tipos e como definir
SaaS
Ricardo Acras

Modelo de receita para SaaS: saiba principais tipos e como definir

Existem diversos tipos de modelos de receita para SaaS, cada um com suas particularidades e benefícios. Entre os mais comuns, destacam-se o modelo de assinatura, o modelo baseado em uso, o modelo freemium e o modelo de preços personalizados.

Um modelo de receita ideal reúne as melhores estratégias de monetização com o objetivo de garantir a viabilidade financeira e o crescimento da empresa.

Mas para definir o modelo mais adequado, é imprescindível entender todo o processo de vendas. Incluindo o perfil do público alvo, as demandas que você vai solucionar e os objetivos de crescimento da empresa.

Leia mais »