Quais as diferenças entre um agente de registro e um indicador de certificados digitais?

João Vallim

Conteúdo

O agente de registro, assim como o indicador de certificados digitais, podem auxiliar quem precisa emitir o certificado digital.

No entanto, existem diferenças entre essas duas opções no que diz respeito ao que elas podem oferecer ao cliente e em como elas se relacionam junto às agências de registro. 

Acompanhe o artigo de hoje e saiba quais as responsabilidades, as particularidades e as vantagens de cada função.

O que é agente de registro?

Agentes de registro são os responsáveis por garantir a confiabilidade e a segurança de um certificado digital.

Esses profissionais são o primeiro contato dos clientes que desejam emitir esse documento. 

Isso os torna essenciais para a garantia de um processo transparente e uma validação confiável da identidade do cliente.

Um agente de registro carrega grandes responsabilidades, uma vez que precisa confirmar que os dados e as informações repassadas pelo cliente são verdadeiras. São munidos até mesmo de aplicativos para auxiliar nessa validação.

Outra responsabilidade que lhe é atribuída, é a aplicação dos protocolos do certificado digital. Esses protocolos dão a segurança necessária tanto para o solicitante, como para aqueles que vão receber o certificado como identificador e autenticador do cliente.

Se você ainda não sabe muito bem o que é certificado digital e como a sua emissão é feita, leia nosso artigo Certificado Digital: o que é, para que serve e como emiti-lo?

Funções de um agente de registro

Antes de mais nada, é bom ressaltar que para ser um agente de registro é preciso ser credenciado por uma Autoridade de Registro (AR). Logo, para ser credenciado é preciso realizar um curso para atender às regras do ICP-Brasil. 

Dito isso, algumas das funções exercidas pelo agente de registro são:

  • Realizar a validação ou a revogação das informações fornecidas pelo cliente
  • Intermediar os serviços entre Agência de Registro e o cliente
  • Conferir e garantir a autenticidade das informações
  • Acompanhar os clientes nas coletas de biometria e foto

Vantagens em ser um agente de registro

Devido a demanda do mercado digital e tecnológico, ser um agente de registro pode ser um diferencial. Isso porque revender certificados pode vir a ser parte dos serviços oferecidos pela sua empresa, o que gera aumento do faturamento.

O que é indicador de certificado?

Enquanto o agente de registro é o intermediário entre clientes e agências, o indicador é quem conduz os clientes para as agências de registros, guiando por todo o processo até passar pelo agente.

Geralmente o indicador opera em parceria com as unidades certificadoras, permitindo que ele mesmo faça a indicação para a emissão do certificado digital. 

No caso do indicador, não é necessário passar por um credenciamento como o agente de registro. Isso possibilita que a cada venda feita ele ganhe uma bonificação por indicar clientes.

Leia também: Como ter um certificado digital?

Funções de um indicador de certificado

Para ser um indicador, não são necessários qualquer tipo de cursos, treinamentos ou credenciamentos, apenas basta ter bom relacionamento e parcerias com certificadores. 


Assim como as exigências para ser indicador são menores do que para ser um agente, as suas funções também são mais restritas. Algumas delas são:

  • Orientar o cliente em relação a documentação necessária
  • Auxiliar no agendamento da videoconferência

Vantagens em ser um indicador de certificado

A demanda por certificação digital é alta e isso traz algumas possibilidades para os indicadores. 

Uma delas é se tornar parceiro de empresas que executem esse trabalho, como por exemplo escritórios de contabilidade e empresas de tecnologia de softwares.

Essas possibilidades de parcerias permitem uma oferta de serviços mais completos, abrindo oportunidade para a fidelização dos seus clientes.

Diferenças entre um agente de registro e um indicador de certificados digitais

Tanto o agente como indicador conseguem que o cliente emita o certificado digital. A diferença está na formação de cada um, já que o agente passa por um procedimento mais exigente.

Essa qualificação mais rigorosa acontece porque esse profissional tem que garantir a confiabilidade do certificado. Enquanto que o indicador apenas precisa recomendar a aquisição e indicar uma entidade certificadora com registro próprio.

Assim, no que diz respeito ao retorno financeiro, o indicador tem um retorno mais imediato de seus esforços. Ao fazer parcerias e ganhar por indicações de vendas, passa na frente do agente que além de todo o serviço de intermediar, tem mais pré-requisitos para sua formação.

Mas seja como agente de registro, seja como indicador, o mercado da certificação digital traz oportunidades para aqueles que pretendem ter maior renda.

Conheça as soluções para emissão de Notas Fiscais da Focus NFe.

João Vallim

João Vallim

Analista de marketing, nerd, videomaker e fotógrafo nas horas vagas.

Inscreva-se em nossa newsletter​

Receba nossos conteúdos exclusivos em primeira mão.

Explore outros conteúdos:

calculadora sob uma mesa com papéis com anotações.
Nota Fiscal
Welker Zigante

O que é DIFAL do ICMS? Entenda como funciona e quem paga!

O termo Diferencial de Alíquota (DIFAL) se refere ao recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e busca promover equidade tributária entre os estados brasileiros.

Empreendedores como proprietários de e-commerces que realizam compras fora do estado e vendem para consumidores finais, precisam considerar as variações nas alíquotas do ICMS entre os estados.

Logo, dada a complexidade dessa legislação, compreender o que é e como funciona o DIFAL pode ser desafiador, especialmente devido às diferentes alíquotas e leis em cada um dos 26 estados e no Distrito Federal relacionadas ao ICMS e aos produtos e serviços tributados.

Acompanhe o nosso post de hoje e compreenda melhor esse processo.

Leia mais »
/nota-tecnica-2016-003
Nota Fiscal
Junior Muniz

Nota Técnica 2016.003: confira a nova tabela de NCM!

A Nota Técnica 2016.003, publicada em dezembro de 2016, é um documento fundamental para a emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). Ela define a tabela de Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) e as Unidades de Medidas Tributáveis (Utrib) a serem utilizadas na NF-e.

Desde que foi lançada, a Nota Técnica 2016.003 passou por diversas alterações, a fim de atualizar a tabela de NCM e Utrib conforme as mudanças da legislação e as necessidades do mercado.

A seguir, abordamos em detalhes todas essas mudanças nas diferentes versões da Nota Técnica e quais códigos foram incluídos e excluídos do documento.

Leia mais »