Como escolher um meio de pagamento online?

João Vallim

Conteúdo

Na hora de disponibilizar um produto ou serviço para venda pela internet, um dos fatores mais importantes é a definição do meio de pagamento online.

Oferecer diversas formas de pagamento para o seu produto ou serviço é um fator de diferencial competitivo. Isso acontece pois você estará dando mais opções para os seus consumidores, o que consequentemente irá abranger um público maior.

Contudo, quantidade nem sempre é sinônimo de qualidade. Por isso, vale a pena estar por dentro dos detalhes na hora de escolher as melhores formas de pagamento.

No artigo de hoje, vamos explicar sobre os principais aspectos que você precisa conhecer na hora de definir os meios de pagamento online que irá disponibilizar aos seus clientes.

Principais meios de pagamento online

Os meios de pagamento online mais comuns atualmente são:

  • Cartão de crédito
  • Cartão de débito
  • Carteiras digitais (PicPay, Mercado Pago e Google Pay)
  • Boleto
  • Pix
  • Transferências bancárias tradicionais (TED, DOC)

De todas essas opções, vale ressaltar que as carteiras digitais estão em amplo crescimento, tornando-se cada vez mais comuns, especialmente no Brasil. Esse meio de pagamento chegou a 17% do total de transações onlines em 2020, segundo dados do relatório Global Payments Report 2021.

Logo, é importante ficar de olho também nas formas de integração entre o seu site e os ambientes de transação financeira, como veremos a seguir.

Formas de integração dos meios de pagamento online 

Para garantir que os pagamentos sejam recolhidos, é preciso que o seu site esteja integrado com as instituições financeiras.

Essa integração pode ser feita de algumas formas diferentes. Vamos destacar três delas: o gateway de pagamento, os intermediadores sub-adquirentes e o contrato direto com adquirentes.

Gateway de pagamento

A integração por meio de gateway conecta a loja virtual diretamente com os bancos. O uso de um gateway em um E-Commerce é recomendado, pois o processo de vendas acontece como se fosse totalmente interno ao site. 

A transação com as instituições financeiras passa de forma imperceptível ao consumidor, o que melhora a questão da usabilidade. Os gateways mais populares hoje no mercado são PayU, Pagar.me e SafetyPay. 

Confira também: Gateway de pagamento: o que é e por que utilizar?

Intermediadores sub-adquirentes

Já os intermediadores sub-adquirentes são aqueles sistemas que fazem a ponte entre a loja e as instituições financeiras, mas existe um redirecionamento para outra página na hora do pagamento.

Devido a esse passo a mais na hora da venda, é preciso ter atenção na hora de desenvolver o processo de check out, para garantir que a venda não se perca nessa mudança de página.

Podemos citar como intermediadores mais populares a PayPal, o PagSeguro e o Moip.

Contrato direto com empresas adquirentes

Por fim, também é possível que a empresa faça um contrato direto com uma instituição adquirente, como Cielo, Rede e Stone. 

Essa opção também pode trazer benefícios, por permitir a negociação das taxas diretamente com as empresas. Um ponto de atenção é que, nesse caso, a maioria dos contratos não inclui as verificações de segurança, o que deve ser contratado por fora. 

Escolhendo um meio de pagamento online

Além das integrações que falamos acima, é preciso também se atentar para alguns aspectos na hora de escolher um meio de pagamento online. Vamos a alguns deles:

Segurança

Um dos pontos mais importantes é a garantia de segurança, tanto para a sua empresa quanto para o consumidor. Clientes que por algum motivo duvidam da credibilidade do site não vão fechar uma compra.

Por isso, verifique se os meios de pagamento online que você está disponibilizando permitem um ambiente seguro. Um elemento indispensável é a atualização constante dos certificados de segurança e a habilitação de um sistema antifraude.

Taxas

São diversas as formas que os meios de pagamentos são taxados. Em alguns casos são percentuais relativos ao valor da compra, em outros, as taxas são fixas. Por isso, avalie qual modelo faz mais sentido para o seu negócio.

É possível que, dependendo do tipo de taxa, você precise ajustar a sua precificação para garantir que sua margem de lucro seja adequada.

Prazo de repasse

Dependendo da forma de pagamento, o tempo que a empresa adquirente demora para te encaminhar os valores arrecadados varia.

É por isso que muitas empresas optam por oferecer condições especiais no pagamento via transferência, pix ou boleto: esses meios já caem direto na conta, sem necessidade de aguardar os prazos de repasse.

Suporte

Todo sistema é passível de falhas. Portanto, um bom suporte é um benefício que faz a diferença. 

Antes de escolher a forma de integração e os meios de pagamento online, verifique como o suporte é realizado e se atende às demandas da sua empresa.

Usabilidade do pagamento online

Como falamos acima, a usabilidade do sistema é um elemento chave para garantir a venda. Por isso, sempre que possível, opte por meios de pagamento que garantam um processo de checkout simples para o seu consumidor. 

Confira mais conteúdos sobre documentos fiscais e SaaS em nosso blog.

João Vallim

João Vallim

Analista de marketing, nerd, videomaker e fotógrafo nas horas vagas.

Inscreva-se em nossa newsletter​

Receba nossos conteúdos exclusivos em primeira mão.

Explore outros conteúdos:

calculadora sob uma mesa com papéis com anotações.
Nota Fiscal
Welker Zigante

O que é DIFAL do ICMS? Entenda como funciona e quem paga!

O termo Diferencial de Alíquota (DIFAL) se refere ao recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e busca promover equidade tributária entre os estados brasileiros.

Empreendedores como proprietários de e-commerces que realizam compras fora do estado e vendem para consumidores finais, precisam considerar as variações nas alíquotas do ICMS entre os estados.

Logo, dada a complexidade dessa legislação, compreender o que é e como funciona o DIFAL pode ser desafiador, especialmente devido às diferentes alíquotas e leis em cada um dos 26 estados e no Distrito Federal relacionadas ao ICMS e aos produtos e serviços tributados.

Acompanhe o nosso post de hoje e compreenda melhor esse processo.

Leia mais »
/nota-tecnica-2016-003
Nota Fiscal
Junior Muniz

Nota Técnica 2016.003: confira a nova tabela de NCM!

A Nota Técnica 2016.003, publicada em dezembro de 2016, é um documento fundamental para a emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). Ela define a tabela de Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) e as Unidades de Medidas Tributáveis (Utrib) a serem utilizadas na NF-e.

Desde que foi lançada, a Nota Técnica 2016.003 passou por diversas alterações, a fim de atualizar a tabela de NCM e Utrib conforme as mudanças da legislação e as necessidades do mercado.

A seguir, abordamos em detalhes todas essas mudanças nas diferentes versões da Nota Técnica e quais códigos foram incluídos e excluídos do documento.

Leia mais »