O conceito de API-First pode – e deve – impactar nos negócios

João Vallim

Conteúdo

Os desenvolvedores SaaS (Software as a Service) estão buscando maneiras de se atualizar sobre APIs, para que continuem proporcionando a troca de informações de forma muito segura. E diante desse cenário é que aparece a importância do API-First, que pode – e deve! – impactar positivamente o seu negócio.

Para além do tipo de aplicativo desenvolvido, eles são quase sempre pensados para a nuvem, com o objetivo final de fazer com que o app venha a se tornar parte de um sistema ramificado de serviços.

As APIs deixaram de ser apenas um modelo de arquitetura de software, mas sim um pré-requisito de negócios, pois é através delas que se pode criar uma série de novos modelos. Saiba mais abaixo!

Onde entram as APIs-Rest

Por sua vez, a economia das APIs cresce rapidamente e as empresas também buscam aderir cada vez mais à ideia de torná-las parte integrante de suas estratégias de crescimento.

Aliás, a interface dos novos hardwares interconectados, do tipo wearables, e no futuro próximo dos carros sem motorista, nos mostram como as APIs são relevantes em nossas vidas. Como exemplo, vemos as gigantes da tecnologia Apple e Google orientar seus sistemas para um mundo focado em APIs.

Como são as APIs-First

O que vemos são muitas empresas iniciando a construção de apps web ou apps de dispositivos móveis para, somente então, como um projeto paralelo, criar uma API para as terceirizadas ou com a finalidade de integração. Tais organizações enxergam isso por dois canais – um web ou mobile e um de API –, mas o problema disso é que resulta em uma API artificial, ainda sem a construção completa e testada ao longo do processo.

Em resumo: a aplicabilidade da API-First permite melhor integração entre departamentos, parceiros e uma mudança de mindset. Também é possível gerar novos negócios e receitas adicionais, que talvez não fossem imaginadas.

Pra que serve API-First

Uma das abordagens recomendadas é desenvolver primeiro uma API e construir a web ou apps mobile em cima dessa API. Isso obriga o desenvolvedor a projetar uma API e usá-la para seu próprio aplicativo, para que se torne uma API-Rest mais próxima do mundo real e compatível com o desenvolvimento de produto ou serviço.

A estratégia precisa ser colocando os interesses do desenvolvedor de destino em primeiro plano para, na sequência, elaborar o produto em seu topo – site, aplicativo móvel ou software SaaS. Uma maneira de evitar falhas no processo de integração, a abordagem API-First permite às equipes a capacidade de trabalhar uns com os outros sem interferir nos processos internos.

Ainda que não haja um planejamento para construir um serviço como parte de um ecossistema maior, a formatação de começar todo o desenvolvimento em nível de API ainda tem validade para poupar muito trabalho e tempo.

Os serviços via API-First

A ideia (ou conceito) de “mobile first” vem ganhando cada vez mais consistência. Ou seja, desde o início de um projeto, todo o esforço é para que seja construído um produto a ser consumido por dispositivos móveis. Assim, API-First quer dizer a construção toda é para ser consumida por meio de aplicativos de cliente e serviços.

Quando o desenvolvedor opta pela API-First, acaba facilitando a discussão com seus stakeholders, formados pela equipe interna, clientes ou mesmo outros times dentro da organização que desejam consumir a API. E isso bem antes de ter codificado para além do ponto de retorno, para dar mais funcionalidade do serviço que está sendo criado.

Não há argumentos para se dizer que API-First é um caminho difícil ou não suportado. Trata-se de um padrão que pode ser aplicado ao desenvolvimento de software não orientado à nuvem, se adaptando bem e suportando um ecossistema de serviços.

A conclusão a que se chega

Enfim, esse tal mundo “First” do qual falamos se fará cada vez mais presente em nossas vidas e o fator chegará com bastante rapidez dentro das organizações, de variados tipos e tamanhos.

O “mobile first”, falado acima, é atualmente mais prático e expressivo de ser adotado por meio da integração de uma estratégia API First. É através da união desses dois conceitos que o Focus NFe estará presente no dia a dia dos seus clientes, parceiros e colaboradores. E de maneira permanente e consistente.

Picture of João Vallim

João Vallim

Analista de marketing, nerd, videomaker e fotógrafo nas horas vagas.

Inscreva-se em nossa newsletter​

Receba nossos conteúdos exclusivos em primeira mão.

Explore outros conteúdos:

Nota Fiscal
Luciano Romaniecki

Rejeição 611: como resolver GTIN (cEAN) inválido? Saiba aqui!

O cEAN inválido é um dos vários erros que podem ocorrer no momento da emissão de uma nota fiscal. Basicamente, o cEAN tem a ver com o código de barras do produto informado na NF-e.

Estes erros podem ser causados desde o preenchimento incorreto de informações, ou até mesmo confusão com dados importantes.

Por isso, o artigo de hoje é para você que precisa emitir documentos fiscais com frequência e não sabe o que fazer quando se depara com esse equívoco.
Mas antes, vamos entender mais sobre o que é e o que pode causar essa rejeição na hora de emitir uma < a href="https://focusnfe.com.br/blog/nfe/" target="_blank">NF-e. Vamos lá?

Leia mais »
Polyfill.js e Malware em Código Aberto: O que Você Precisa Saber
Tecnologia
Yuri Corredor

Polyfill.js e Malware em Código Aberto: O que Você Precisa Saber

No mundo do desenvolvimento, bibliotecas de código aberto desempenham um papel crucial na criação de aplicativos. No entanto, essas bibliotecas também podem representar riscos significativos se não forem gerenciadas corretamente. Um exemplo recente é o caso da biblioteca polyfill.js, que sofreu um ataque de cadeia de suprimentos, afetando milhares de sites ao redor do mundo.

Leia mais »
Modelo de receita para SaaS: saiba principais tipos e como definir
SaaS
Ricardo Acras

Modelo de receita para SaaS: saiba principais tipos e como definir

Existem diversos tipos de modelos de receita para SaaS, cada um com suas particularidades e benefícios. Entre os mais comuns, destacam-se o modelo de assinatura, o modelo baseado em uso, o modelo freemium e o modelo de preços personalizados.

Um modelo de receita ideal reúne as melhores estratégias de monetização com o objetivo de garantir a viabilidade financeira e o crescimento da empresa.

Mas para definir o modelo mais adequado, é imprescindível entender todo o processo de vendas. Incluindo o perfil do público alvo, as demandas que você vai solucionar e os objetivos de crescimento da empresa.

Leia mais »